Universo em Camadas

multiverso em camadas

Universo em Camadas foi um ideia concebida com base nos Universos Concomitantes (*) e Quânticos. Um Universo Concomitante seria uma cópia exata do nosso, talvez o mais verdadeiro Universo Paralelo no termo da palavra. Nestes Universos tudo seria exatamente igual, uma cópia perfeita do nosso Universo (o que não seria interessante em termos de nos aventurarmos em tentar conhece-los).

Entretanto, devido a Mecânica Quântica, podemos supor que um Universo U1 poderia se projetar em um Universo U2 num primeiro instante idêntico, mas que devido a flutuações quânticas, poderia gerar outro praticamente igual, mas com sutis diferenças. Por exemplo, no Universo U1 voce mora em uma casinha branca no campo, com uma cerca de madeira de 95 cm de altura com 60 margaridas e, no Universo U2 a cerca teria 94,5 cm de altura e 65 margaridas (entre outros pequenos detalhes).

O Universo em que vivemos seria como uma página de um imenso livro onde cada página fosse uma realidade momentânea (Presente), de duração extremamente curta (Tempo de Planck). As paginas anteriores seriam o passado e as posteriores, o futuro.

A ideia consiste então que cada página que se sobrepõe, a cada Tempo de Planck, uma nova camada de Universo é deixada para traz, com toda a estrutura para seguir em frente dentro daquela camada.

Evidentemente se o futuro ainda não existe e estamos no topo, só poderemos vislumbrar tempos passados. Na imagem acima foi imaginado um Multiverso onde a pagina que esta sendo mostrada com uma galaxia seria o Presente (para quem vive nele!), e as paginas abaixo seriam o passado para quem vive nelas.

Claro que poderia haver mais paginas acima da pagina que é mostrada e só não o fiz para não complicar o desenho e facilitar o entendimento. Poderia haver dezenas, centenas ou  milhares  de paginas acima. As pessoas que estariam ali teriam certeza de estarem no presente, mas seriam o passado para paginas (Universos) acima e, da mesma forma seriam o futuro para pessoas que estivessem vivendo em paginas abaixo.

Importante frisar que tudo ocorre concomitantemente, no mesmo tempo cósmico. Se fosse possível criar um  Buraco de Minhoca ou outro tipo de caminho entre as paginas, poderia haver uma comunicação normal e instantânea entre estes Universos.

Mas, um universo (uma pagina), bem mais abaixo poderia ver o futuro. Creio que não podemos afirmar se estamos ou não no topo deste “livro cósmico” e desta forma, poderíamos, de alguma forma, vislumbrar ou mesmo ter acesso ao futuro.

Uma curiosidade: Este modelo foi criado em 2009 e utilizado como ponto de partida no romance “À Beira do Abismo do Tempo“.

 

(*) Concomitante significa simultâneo, que se manifesta no mesmo tempo que o outro, que acompanha. Diz-se de duas ou mais ações que se realizam no mesmo momento, são os acontecimentos coexistentes. 

 

 

O Universo Eterno

download (2)

Em outra postagem argumentei sobre qual ciência ou ramo do conhecimento teria sido o primeiro a existir ou ser percebido no Cosmos, chegando à conclusão que a Matemática sempre existiu e sempre existirá, neste e em possíveis outros Universos, indiferente da complexidade dos mesmos.

Logicamente, em qualquer Universo, a Física sempre seguirá regras matemáticas mas poderá ser diferente da que conhecemos. Poderiam, por exemplo, existir Universos onde as estrelas, planetas e outros corpos teriam forma esticada, como salsichas e não globulares como estamos acostumados a ver.

Para nossa visão e nossa Física atual, seria difícil conceber e tentar explicar a existência de tais estrelas alongadas de milhões de quilômetros de comprimento e que propriedades existiriam para que isso ocorresse.

Ainda no campo da especulação e da livre imaginação, poderiam existir “estrelas” não de plasma, mas de água que, de alguma forma, sustentariam a vida nos planetas em suas orbitas. As possibilidades são imensas.

Agora vou tentar passar minhas ideias sobre a origem do todo, não apenas de nosso Universo, mas do Multiverso em si e de possíveis outros tipos de ambientes cósmicos. Uma ressalva deverá ser feita pois, se a Cosmologia e os Físicos procuram uma explicação para a origem do Multiverso (ou de nosso Universo), invariavelmente eles caem em uma armadilha cuja única resposta (não cientifica), seria a existência de um possível criador.

Desta forma, creio que o Multiverso (ou o nosso Universo, caso não existe o primeiro), seja a única coisa que sempre existiu; não precisamos nem devemos tentar ir atrás de explicação porque não a encontraremos.

Entretanto, se realmente o Universo (ou o Multiverso), possuem uma origem, um nascimento, ele estaria regido por leis possivelmente não da nossa Física tradicional, mas de outra ciência. Conversando com meu filho (Arthur de Castro), sobre o assunto, ele me passou a seguinte ideia: Em determinado momento, quem sabe há trilhões e trilhões de anos, em um momento singular e talvez eterno, de não existência absoluta onde, devido a própria não existência de leis da Física, sem uma regulamentação cósmica, sem talvez nem mesmo a Matemática, tudo que fosse possível acontecer, aconteceria. Seguindo este pensamento (que vou chamar carinhosamente de Momento Monteiro/Castro), num instante x onde nada impede que algo possa acontecer, tudo pode acontecer e então, o Universo (ou Multiverso), nasceria.

Evidentemente é algo Filosófico, possivelmente sem comprovação ou, muito antes pelo contrário, a prova seria a própria existência do Universo ter saído do nada como acreditam alguns. A este momento estranho que beira a uma certa insanidade, criei o termo Ilusophia, que comentarei em uma próxima postagem.

download (1)

Antes da Física

Qual foi a primeira Ciência do Cosmos? Não me refiro aqui qual foi a primeira Ciência na Terra criada pelos Homens (ou por algum animal inteligente que desconhecemos e que tenha existido antes), mas qual teria sido a primeira manifestação de tentar encontrar uma certa ordem no caos ou começar a explicar algo?
premissa2

Fonte da Imagem: Criação da Ciência Universal

Pense, a Biologia não estuda nada antes do nascimento da Vida em nosso planeta. Os biólogos só começaram a falar em vida sobre algo que começou lá na sopa primordial. Nenhum biólogo escreve sobre formas de vida de algo que existiu antes da formação da Terra. Voce poderia gritar, mas há biólogos que aceitam que a vida possa ter vindo num cometa ou algo assim. Certo, mas para isso existe a Exobiologia que especula sobre a vida antes da formação do nosso planeta, supondo que tenha vindo de outro lugar. Mesmo assim, esta ultima ciência só teria sentido após o aparecimento de corpos relativamente frios para a vida acontecer.

Entretanto, mesmo antes do primeiro corpo surgir sem o menor sinal de vida, já existiam elementos a vagar pelo espaço. Os elementos surgiram após grandes estrelas morrerem e, com misso teria nascido a  Química com suas propriedades que dariam inicio às tabelas de elementos, ligações químicas, surgimento de moléculas orgânicas, aparecimento da vida etc. Logo, a Química existia antes da Exobiologia e esta, antes da Biologia.

Mas houve um tempo em que não ocorriam fenômenos químicos e nem mesmo os elementos haviam sido criados. Então nasceu a Física! O nascimento do Universo que conhecemos foi um fenômeno Físico que deu origem mais tarde as estrelas que por sua vez deram origem aos Elementos da Tabela Periódica (que por sua vez originaram a Química, Biologia e assim por diante).

conjutoAparentemente a Física seria a base de tudo mas talvez a Matemática existiria antes mesmo da Física pois muita coisa, muitos conceitos só existe na Matemática. Grandes descobertas ocorreram sem ao menos ver o que se imaginava, como as partículas atômicas e os Buracos Negros (e mais recentemente das Ondas Gravitacionais). Talvez muito possam dizer “Há, mas se não existiam seres humanos como poderia existir a Matemática antes de tudo?”. Bem, não falo aqui da ciência acadêmica em si mas sim dos conceitos. Na era pré-histórica com certeza não existia a Matemática como a conhecemo hoje mas as bases da Teoria dos Conjuntos era usada. Mesmo o mais primitivo caçador sabia comparar cinco peixes pescados com cinco traços registrados em alguma parede de caverna (Correspondência Biunívoca).

Até bem pouco tempo tínhamos como certeza absoluta que nosso “Conjunto Universo“, seria o próprio Universo onde estamos; hoje já cogitamos, com base em algumas evidencias, de que nosso Universo é apenas um elemento em um enorme e infinito Conjunto de Universos, o Multiverso. Assim como o Conjunto de Números Reais é infinito, o Multiverso também seria infinito e, da mesma forma que o Conjunto dos Números Pares e o Conjunto dos Números Impares são infinitos, os Universos Elementares dentro do Multiverso, também poderão ser infinitos.

Enfim, a conclusão é esta: Talvez a explicação da origem de tudo, seja do Universo em que estamos (para quem não acredita no Multiverso), ou a origem do Multiverso, Membranas etc esteja unicamente na matemática. Ela sempre existiu e sempre existira, independente de existir ou não o Universo, o Multiverso e até mesmo Deus que não dependeria das leis fisicas para cria-lo, mas sim da Matemática.

 

O MULTIVERSO QUÂNTICO

another-earth1

Acredite, voce pode ter um irmão gêmeo que desconhece. Mas calma, infelizmente ele esta tão distante que jamais poderia encontra-lo.  O mais incrível é que ele pode saber tudo sobre voce, pois são idênticos. Se isso é verdade, se todos nós podemos ter um “Doppelganger” (ou irmão cósmico como dizem alguns), a realidade é mais assombrosa do que a melhor historia de Ficção.

Nas postagens anteriores comentei sobre as diversas concepções de Universos Paralelos dentro de um possível Multitverso (Conjunto de Universos). O Tipo 3, o Multiverso Quântico é o que mais me atrai, mesmo sendo bem controverso e espetacular. Neste conjunto, podem haver diferentes historias, diferentes vidas para cada um de nós que passariam a existir dependendo de nossas escolhas ou de fatores casuais da própria natureza. Num Efeito Borboleta uma simples decisão entre escolher em ir de taxí ou de carro para o trabalho poderia resultar em mudanças gigantescas em nossas vidas e duas histórias correriam paralelamente ao longo do tempo.

Essa ideia não é de hoje e não oi criado por algum escritor de Ficção Cientifica mas deriva da  Interpretação de Muitos Mundos  de Hugh Everett III (primeira foto abaixo). A I.M.M. sugere que, para cada decisão que tomamos em nosso dia a dia, há um outro universo em que a outra opção é realizada. Também baseada no  Principio da Incerteza de HeiHugh-Everettsenberg , que afirma que quanto mais precisamente se tenta medir uma determinada grandeza,forçosamente mais impreciso será resultado daquela grandeza. A Lua por exemplo, só estaria em determinada posição nos céus para nossos olhos quando a observarmos e, mesmo nossos equipamentos diriam que ela esta lá naquele local. Mas isso gera uma questão: e as observações de outras pessoas? Porque parece que a Lua esta realmente nesta e não noutra posição?

Bem, isso é apenas uma questão de referencial. Como nós estamos no mesmo universo, todos veremos onde a Lua esta, inclusive nossos aparelhos mais sofisticados comprovarão tal coisa mas outras copias de nós, em planos ligeiramente diferentes poderão vela em outra posição. Abaixo, foto de Werner Heisenberg .

Claro, muitos foram contra essas ideias na época, principalmente Albert Einstei que não aceitava essa visão. A coisa pegou fogo quando Schrodinger enunciou o experimento mental conhecido como  O Gato de Schrodinger. Pela lógica até então um animal ou esta vivo ou esta morto, nunca as duas coisas ao mesmo tempo, ou seja, um gato preso dentro de uma caixa com determinado veneno poderia estar morto e vivo mas só saberíamos a verdade quando abríssemos a caixa. A realidade das coisas dependeria unicamente de nossas observações. Werner HeisenbergHugh Everett III , afirmou que ele, o gato, poderia estar vivo e morto ao mesmo tempo sim, mas em dois Universos distintos. Isso levou alguns cientista a entender que qualquer mudança em uma escolha em nossa vida poderia criar um novo Universo, com uma historia semelhante ou completamente diferente. É popularmente conhecido como Realidade Alternativa ou Realidade Espelhada do Universo. Como ja foi dito, a Equação de Schrodinger prova que partículas subatômicas podem estar em mais de um lugar ao mesmo tempo e que mais de uma partícula pode estar no mesmo lugar ao mesmo tempo. Isso deveria, segundo a equação, ocorrer apenas a nível atômico mas Frank Tipleracredita que a mesma prova que isso ocorre até mesmo no mundo macroscópico.

Em consequência, objetos, pessoas, planetas etc podem estar em mais de um lugar no Cosmos, afirmando desta forma que podem haver sim Gêmeos Cósmicos de cada um de nós, ou em alemão, origem do tempo, Doppelgangers. Estariam no mesmo espaço e mesmo tempo.

Estudos rescentes (Paisagem de Cordas) – indicam que podem haver mais de 3 dimensoes espaciais mais isso iria gerar um enorme número de formas e tamanhos possíveis que podem tomar as dimensões espaciais extras requeridas pela teoria, algo como 10^500. Segundo a Teoria das Cordas, existem sete dimensões de espaço além das três popularmente conhecidas (altura, largura, profundidade). Nestas outras sete dimensões existiriam outros universo.

Représentation tridimensionnelle d'une variété quadridimensionnelle de Calabi-Yau

Existem outros autores que estudam somente este caso e as implicações que isso poderia gerar. Como este Blog não versa sobre Religião e Exoterismo, não irei adentrar nesta área mas posso citar as incríveis teorias que afirmam que, bem, é melhor deixar para um postagem futura!

Para se aprofundar mais, visite: Teorias das Cordas, Mecânica Quântica, Principio da Incerteza, Efeito Borboleta Interpretação de Muitos Mundos

 

UNIVERSO – ORIGENS

 Imagem 071

É praticamente impossível alguém olhar para os céus à noite e não se maravilhar com o que vê. Até mesmo os mais frios dos mortais sente uma atração quase que espiritual pela imensidão e talvez infinitude do Cosmos. Muitas perguntas nos veem à mente: Onde acaba tudo isso? Porque é tudo escuro? Será um ambiente fechado? E se formos até o fim, como seria a parede que nos envolve? O espaço sempre existiu? Teve um inicio? Terá um fim? Será que tem alguém ou alguma coisa também fazendo as mesmas perguntas em alguma das estrelas lá em cima? Será que alguém ou algo criou isso?

 

Em todos os tempos muitos se dedicaram a isso, a pensar sobre o Universo. Inicialmente  evidentemente foram os primeiros primatas com algum desenvolvimento para tanto; depois foram surgindo os primeiros Filósofos e Teólogos bem antes de qualquer tipo de escrita ou registro por mais rude que fosse. Hoje, os maiores Físicos e Cosmólogos ainda não sabem como algo pôde ter saído do nada ou se sempre existiu.

O Rig Veda descreve um Universo Cíclico que terminava e recomeçava, indefinidamente. Nos momentos em que deixava de existir, curiosamente os deuses também deixavam de sonhar e somente voltavam quando o Universo nascia novamente. E mais, as coisas, as pessoas, o Cosmos seria um sonho destes deuses e o Universo só existiria quando eles sonhassem…

Hoje, umas das mais nova ideias é de que a cada instante, a cada fração de segundo um novo Universo nasça, como bolhas de sabão a subir e preencher um ambiente infinito conhecido como Massa ou Hiperespaço.Cada uma destas bolhas cósmicas teria dentro de si um Universo.

the-multiverse-in-gods-eye-sam-del-russi.jpg

Talvez jamais veremos o tal Hiper Espaço (ou Massa), este ambiente (que não seria um lugar em si mas apenas um ente físico completamente abstrato como o Tempo), só poderia ser estudado e observado de maneira indireta.

Aceitemos então o Hiper Espaço da mesma forma que aceitemos o Tempo. Não vemos o tempo nem podemos viajar no tempo e apenas podemos percebe-lo pelo que ocorre no espaço, pela diferença de posição entre duas coisas por exemplo. Dentro deste infinito lugar , segundo a Teoria M, Membranas tridimensionais eventualmente colidem criando Universos. Estes pontos de colisão seriam o que entendemos como Big Bang. E isso fecha com as ideias propostas por Alex Vilenkin e Andrei Linde (Expansão Eterna), ricamente fundamentado sobre um trabalho de Alan Guth em 1981.

Então o Big Bang não pode ser considerado com certeza como a origem de tudo mas apenas do Universo em que estamos. Logo, o que sabemos sobre ele, o Big Bang, é somente sobre o que conhecemos com base em nossa Física. Se a Teoria M estiver correta, e tudo indica que sim, muito tempo antes do nosso Big Bang ocorreram infinitos outros e continuam ocorrendo.

Imagine então a variedade de Universos, Leis Físicas, Leis Químicas e tudo mais que possa existir dentro destas verdadeiras bolhas de universos espalhados pelo Hiper Espaço. E isso vai de encontro (em parte), com  a filosofia Veda de vários deuses em infinitos  universos, nascendo e desaparecendo como entidades sujeitas e esta Física cosmológica. Talvez o que eles quisessem dizer com “deuses”, seriam na verdade leis físicas que nascem e sucumbem  dentro de algo maior, o Multiverso.

GOTAS DE UNIVERSOS

dnews-files-2014-07-multiverse-670x440-140718-jpg.jpg

A segunda ideia mais popular de Universos Paralelos é de um conjunto infinito de esferas, semelhantes a bolhas de sabão a vagar pelo Hiperespaçoou Massa (Um lugar ou dimensão onde estariam os outros universos). Cada um destes Universos teria nascido de um Big Bang como aquele que criou o nosso espaço. Uma das Teorias que sustenta este tipo e a Teoria M onde membranas que flutuariam no Hiperespaço eventualmente se tocariam produzindo estas bolhas.

 

Cada uma destas bolhas possui propriedades próprias, não necessariamente iguais ao Universo em que estamos. As leis da Física poderiam ser diferentes, a própria Energia Escura também poderia ter  um valor acima ou abaixo do valor medido em nosso Cosmos.

Evidentemente como o nascimento destas bolhas é eterno e ocorre a cada instante, na certa algumas delas seriam idênticas à nossa, com planetas e pessoas como nós. Nestes seriam os Universos Paralelos Tipo 2 e, dentro de cada bolha, existiriam os universos do Tipo 1. Mas existiriam também infinitos sistemas com propriedades completamente diferentes, como estrelas em forma de bastonetes, planetas em forma de filamentos ou algo assim, com planetas e seres vivos bizarros que talvez desconhecessem a morte por exemplo.

the-multiverse-in-gods-eye-sam-del-russi.jpg

Diferente dos Universos Paralelos tipo 1 que se afastam eternamente na velocidade da luz, os do Tipo 2 ou Multiverso de Bolhas podem se tocar, se dividirem e até mesmo gerar outras bolhas, numa especie de brotação. Eles estão nascendo a todo instante num processo chamado de Nucleação de Bolha.

Podemos imaginar que o Multiverso é um Oceâno Cósmico, formado de gotas de Universos.

 

Especulações:

Seria possível um contato com algum habitante de uma outra Terra em outro Universo, em outra “Gota Cósmica“?  Pelo que se tem da Física até o momento seria impossível mas podem haver propriedades ainda desconhecidas na natureza que poderiam facilitar até mesmo uma comunicação via buracos de minhoca, tunelamento quântico ou algo que sequer sonhamos em nossos sonhos mais fabulosos. Mais difícil ainda seria uma pessoa transpor, não apenas a distancia infinita do Universo Tipo 1 que esta em cada gota, mas transpor um meio totalmente desconhecido (o Hiperespaço ou Massa), onde estão imersas estas “gostas cósmicas”. Supõe-se, muito vagamente, que talvez num breve contato de Universos Bolhas ou em algum momento raro de interação entre elas alguma informação, matéria ou energia poderia ser compartilhadas.

A OUTRA TERRA

55f8aeabc46188bd238b4614


No mundo da ficção o termo “Doppelgänger” (baseado em lendas germânicas), descreve uma entidade ou ser que teria a capacidade de apresentar uma cópia idêntica de uma pessoa que ele escolhe ou que passa a acompanhar.

No ramo da Física, hipoteticamente significa que cada pessoa teria o seu próprio gêmeo cósmico, algumas mortas e outras vivas. A celebre expressão “Elvis Vive” então se tornaria algo realmente verdadeiro e o rei do rock estaria vivo e fazendo sucesso em outra Terra, infelizmente muito, muito distante daqui e sem a menor possibilidade de uma entrevista ou um show local.

No no campo da Cosmologia, devido a imensa distância, seria impossível entrar em contato físico, nem mesmo viajando na velocidade da luz, já que estas regiões se afastam também na velocidade da luz. Talvez, especulam alguns cientistas, somente com a existência de possíveis Buracos de Minhoca é que poderíamos cortar caminho entre estas distancias.

FT4.jpg

Se um dia for possível dominarmos estes atalhos cósmicos, com certeza poderemos ir a outros cantos do universo e quem sabe, nos depararmos com nossos Alter Egos. Se for verdade que já estamos sendo visitados por seres de outros planetas (até o presente momento não há a menor evidencia), na verdade pode ser que já algumas civilizações milhares ou milhões de anos a nossa frente tecnologicamente já estejam se beneficiando destes tuneis no tecido do Cosmos. Mais fantástico ainda é que podemos estar sendo visitados por seres idênticos a nós!

Entretanto há quem discorde disso, que o Universo em que estamos seja finito de alguma forma, não com um muro ou alguma barreira intransponível mas infinito como a Terra. Se formos para qualquer direção no planeta, de leste para oeste ou vice-versa, sempre chegaremos ao mesmo lugar e talvez isso ocorra também no espaço. Mas então surgira a dúvida: Se seguirmos sempre em frente e encontrarmos outra Via-Lactea com um Sistema Solar e uma Terra, será que seria a mesma que deixamos ou um Universo Paralelo?

Vou abrir aqui um pequeno parenteses para comentar sobre os Gêmeos Cósmicos ouDoppelgängers . Popularmente se criaram muitas lendas de pessoas que juram já terem visto cópias de outras pessoas durante sua vida. Eu próprio já tive esta estranha experiencia duas vezes mas acredito que isso se deva apenas a outra coisa: a Repetição Genética. Imagine uma criança com um conjunto de peças de montar, destes de blocos coloridos. Após algum tempo chegaria um ponto que sempre que montasse um novo brinquedo, seria igual a outro que já teria sido feito. Assim, o DNA que “monta” nossos corpos, rostos e outros detalhes poderiam se repetir e eventualmente poderiam haver pessoas idênticas a outras, vivas ou que já morreram.

Especulações:Agora, seria possível um contato com algum habitante de outra Terra Gêmea? Pelo que se tem da Física até o momento seria impossível mas podem haver propriedades ainda desconhecidas na natureza que poderiam facilitar até mesmo uma comunicação via buracos de minhoca, tunelamento quântico ou algo assim. Mas uma pessoa transpor toda esta distancia seria impossível, a menos é claro que somente a energia quântica desta pessoa conseguisse viajar por algum canal no tecido no cosmos.

UNIVERSOS PARALELOS – ESPECIES

Screenshot_5.jpgTipos de Universos Paralelos

Atualmente há quase uma duzia de definições, idéias ou tipos sobre o tema Universo Paralelo. Mas podemos dizer que, categoricamente os mais aceitos e com base mais solida na Física e na Matemática não passam de meia duzia. Neste primeiro contato com estas “espécies” serei o mais breve possível e não me aprofundarei demasiadamente nos mesmos, mas deixarei links para quem desejar saber mais.

Ao longo do tempo irei focar mais detalhadamente sobre cada um destes modelos. Alguns autores os apresentam em uma determinada ordem mas, devido as constantes mudanças e descobrimentos,  não seguirei a risca esta ordem. Atente que o o Tipo 3 de Universo Paralelo surgido logo após o advento da Mecânica  Quânticapossui outras variações principalmente com as novas propostas da Teoria M.

 

Tipo 1Universos Gêmeos – Oriundo de um Universo Aberto – Segundo o Modelo Cosmológico Padrão o espaço em que estamos seria infinito e, desta forma, existe um outro Universo neste mesmo espaço cósmico em que estamos, mas está muito,  muito distante.

Durante os primeiros momentos do nascimento do Cosmos, ocorreu um surto de expansão espacial extremamente rápida que projetou matéria e energia para os mais distantes pontos do Cosmo. Por isso para onde quer que olhamos, mesmo a bilhões de Anos Luz, teremos galaxias e propriedades iguais.  Teoricamente, as propriedades da Física seriam as mesmas. É uma extensão do nosso próprio universo infinito e estão no mesmo Universo mas em diferentes espaços e tempos.

Devido a imensidão dos cosmos e levando em conta a Expansão Cósmica, os outros Universos se afastam do nosso na velocidade da luz tornando assim (até o momento), impossível fazermos contato ou mesmo detectar através de equipamentos.
Max-Tegmark.jpgSeriam tantas as possibilidades em um espaço infinito que com certeza haveriam planetas idênticos à Terra, com pessoas iguais a nós mas levando vidas diferentes. De acordo com o Prof. Max Tegmark do M.I.T., (foto a esquerda), devido ao processo inflacionário em curso nesses universos (e no nosso), o espaço entre os outros universos esta se afastamento em uma velocidade  mais rápida do que a luz. Portanto, jamais poderíamos entrar em contato estes mundos.  Tegmark chegou a calcular a que distância poderiamos encontrar uma cópia exata de voce ou de mim:  1029 ^ 29 m de distância.

Para se aprofundar mais, visite: Modelo Cosmológico ,  Teoria da Inflação Cósmica ,A Outra Terra

separador

BubbleWorldsm.jpg

Tipo 2 – Teoria da Bolha – Inflação Eterna de Andrei Linde (foto abaixo) – Estes universos estariam infinitamente mais distantes do nosso do que os do Tipo 1. Nestas regiões poderiam haver universos com variações nas leis e constantes físicas.

web_blackboard-0488-2_PAIR2.jpgExistem infinitos Universos e eles estariam no Hiperespaçoou Massa. Segundo essa ideia, a cada instante ocorre um Big Bang e nasce um novo Universo com diferentes quantidades de Energia Escura e, neste caso, podem existir outros Universos com leis físicas completamente diferentes da que conhecemos em nosso Universo.

Dentro de cada “Bolha” há Universos do Tipo 1. Como é um processo infinito chamado de Nucleação de Bolha, pode ocorrer eventualmente de surgirem Universos idênticos ao nosso, no mesmo tempo ou com algum possível “Time Delay” (Diferença de tempo). Este modelo esta sustentado por duas ideias: o modelo da Inflação e a Teoria Ecpirótica. Estes Universos existem em diferentes espaços e diferentes tempos no Hiperespaço.

Este conceito de bolha  envolve a criação de universos da espuma quântica de um “universo pai” que poderia gerar universos filhos, como se uma bolha se dividisse em duas ou outro universo viesse a brotar da primeira. As flutuações quânticas neste ambiente poderiam criar até mesmo buracos de minhoca. Se a flutuação de energia não é muito grande, uma pequena bolha universo pode se formar, experimentar alguma expansão como um balão inflável, e, em seguida, contrair-se e desaparecer da existência. No entanto, se a oscilação de energia for grande, maior do que um determinado valor crítico, uma pequena bolha forma um novo universo filho com propriedades, na certa, muito diferentes do que sequer possamos imaginar.

Para se aprofundar mais, visite: Nucleação de Bolhas , Teoria Ecpitótica , Inflação

separador

Screenshot_2.jpg

Tipo 3 – Vários Mundos  ou  Universos Quânticos –  Deriva da Interpretação de Muitos Mundos  de Hugh Everett III (primeira foto abaixo), para abordar o fenômeno do colapso da função de onda. A IMM diz que para cada opção possível, há um outro universo em que tal opção é realizada; surgiu também do  Principio da Incerteza de HeiHugh-Everettsenberg , que resumidamente diz que quanto mais precisamente se tenta medir uma determinada grandeza, forçosamente mais será impreciso resultado da grandeza correspondente. Não se pode por exemplo dizer onde esta uma determinada partícula, apenas podemos supor em níveis percentuais onde ela poderá estar. Muitas discussões vieram a seguir como alguns afirmam que a Lua só está em determinada posição quando nós a medimos ou olhamos. O Universo não poderia ser assim esbravejavaAlbert Eintein dizendo a famosa frase “Deus não joga dados com o Universo“. Abaixo, foto de Werner Heisenberg .

Quando Schrodinger enunciou o experimento mental conhecido como  O Gato de Schrodinger, Werner HeisenbergHugh Everett III , afirmou que ele, o gato, poderia estar vivo e morto ao mesmo tempo sim, mas em dois Universos distintos. Isso levou alguns cientista a entender que qualquer mudança em uma escolha em nossa vida poderia criar um novo Universo, com uma historia semelhante ou completamente diferente. É popularmente conhecido como Realidade Alternativa ou Realidade Espelhada do Universo. Como ja foi dito, a Equação de Schrodinger prova que partículas subatômicas podem estar em mais de um lugar ao mesmo tempo e que mais de uma partícula pode estar no mesmo lugar ao mesmo tempo. Isso deveria, segundo a equação, ocorrer apenas a nível atômico mas Frank Tipleracredita que a mesma prova que isso ocorre até mesmo no mundo macroscópico.

Em consequência, objetos, pessoas, planetas etc podem estar em mais de um lugar no Cosmos, afirmando desta forma que podem haver sim Gêmeos Cósmicos de cada um de nós, ou em alemão, origem do tempo, Doppelgangers. Estariam no mesmo espaço e mesmo tempo.

Tipo 3.1 – Mundos-Brana – Com o surgimento da Teoria das Cordas, novos Universos Paralelos surgiram, e um deles é dos Mundos-Brana, que sugere que o nosso universo é apenas um dos inúmeros “blocos” que flutuariam em um espaço com maior número de dimensões, como se fossem às fatias de um pão de proporções cósmicas.

universos paralelos2

Tipo 3.2 – Colisão de Branas – Segundo Paul Steinhardt , Existiria uma quarta dimensão escondida no espaço e nesta existiria um universo paralelo num mundo Brana, uma membrana tridimensional flexivel. Nosso Universo  estaria em um mundo Brana e o outro poderia estar a menos de uma átomo de distancia de distancia. Quando duas Branas se tocam criam Big Bangs dando origem assim a novos Universos. Talvez a matéria escura seja na verdade a gravidade de outra Brana. Criado por Flutuações Quânticas ou pela Colisão de Membranas – Toda a realidade neste mundo Brana seria diferente de nosso universo. Originaria também da da Teoria das Cordas indica que outro tipo de Universo Paralelo poderia surgir de possíveis choques entre os Mundos-Brana, que destruiriam tudo o que eles continham e dariam início a algo como um novo Big Bang em cada um deles. Imagine duas mãos gigantescas batendo palmas, num processo que poderia ocorrer repetidas vezes: as branas colidem, quicam, voltam a atrair-se gravitacionalmente e colidem de novo, em um processo cíclico que gera novos universos paralelos, não no espaço, mas no tempo.

Para se aprofundar mais, visite:: Teoria M, Teoria das Branas ou Membranas.

Tipo 3.3 – Paisagem de Cordas – Uma terceira variação com base ainda na Teoria de cordas se baseia no enorme número de formas e tamanhos possíveis que podem tomar as dimensões espaciais extras requeridas pela teoria, algo como 10^500. Segundo a Teoria das Cordas, existem sete dimensões de espaço além das três popularmente conhecidas (altura, largura, profundidade). Nestas outras sete dimensões existiriam outros universo.

Para se aprofundar mais, visite: Teorias das Cordas, Mecânica Quântica, Principio da Incerteza, Efeito Borboleta Interpretação de Muitos Mundos

separador

Screenshot_4.jpg


Tipo 4 – Ensemble Final ou Conjunto Definitivo
– Tegmark formulou a teoria do “Ensemble final “, cujo o único postulado é que “todas as estruturas que existem matematicamente existem também fisicamente“. Assim, tudo que se puder imaginar, qualquer Universo, seres etc seria possível de existir abrindo a inquietante possibilidade de universos onde as leis da física poderiam ser completamente diferente de tudo que conhecemos. Esta idéia totalmente aberta a todas as possibilidades curiosamente encerraria outros tipos de Universos Paralelos.

separador

Outras considerações:

Universo de Antimatéria – No momento da criação do Universo foi criado um Universo de Anti-Matéria com propriedade opostas. Caso nosso Universo viesse a encontra-lo, ocorreria uma auto-destruição total de ambos.

Universo Holográfico – Considera que tudo o que constitui nossa experiência é apenas uma projeção holográfica de processos que ocorrem em uma superfície distante, que nos envolve. Se você se der um beliscão, o que você sente é real, mas será um reflexo de um processo paralelo que tem lugar em uma realidade diferente e distante.

Universos Artificiais – Teriam as Leis da Física condições de criar novos Universos? Até que ponto poderíamos criar com software  universos que poderiam ser simulados em computadores superavançados? Será que não vivemos então estar vivendo em uma simulação preparada por alguém ou algo? Será que podemos viver dentro de um software como em Matrix?

Universo Filosófico – Todos os universos possíveis se concretizam em algum lugar do que seria, com certeza, o maior de todos os multiversos.

separador
Especulações:

Alguns filósofos e pensadores indagam sobre a possibilidade de que, dentro de cada elétron, ou partícula possa haver um universo como o nosso, com planetas, pessoas, átomos e por sua vez, elétrons. Dentro destes haveria outro universo, indefinidamente. E o nosso próprio universo estaria encerrado dentro de um elétron a fazer parte de outro, e assim sucessivamente, tanto para cima como para baixo, eternamente.

Outros se perguntam se, o próprio conceito de Céu e Inferno, tão citado nas religiões, não seriam também algum tipo de universos paralelos. Indo mais além nesta questão há certas divindades ou entidades em certos cultos que estão em vários locais ao mesmo tempo, como se fosse um caso de Bilocação ou Duplicidade. Seriam duplos cósmicos de universos paralelos interagindo com o nosso?

Menos fantasioso mas nem por isso fantástico seria os casos mais sérios ou inexplicados de aparições de OVNIs. Poderiam eles estar em universos paralelos quando surgem nos céus? Será que eles, nas outra dimensões não podem ver nossos aviões como naves de outros mundos?

 

 

 

 

 

OS TRÊS PILARES DO MULTIVERSO

wormhole.png

 

 

A ideia ou conceito atual de Multiverso ou Universos Paralelos é fortemente sustentada por três grandes idéias que são: Inflação Eterna,  Energia Escura e  Teoria das Cordas.


Inflação Eterna
:
A cada instante, desde antes do Big Bang, novos universos estão nascendo.


Georges-Henri Édouard Lemaître
foi um padre católico, astrônomo, físico e cosmólogo belga que primeiramente propôs o que ficou conhecido como Teoria da Origem do Universo do Big Bang, que ele chamou de “Hipótese do Átomo Primordial“. Em 1927, independentemente dos trabalhos de Alexander Friedmann, Georges Lemaître afirma que o universo está em expansão, baseando-se nos trabalhos de Vesto Slipher (mais tarde esta expansão seria confirmado por Edwin Hublle).

Segundo a Teoguth_alanria do Big Bang, nosso Universo (este em que estamos), nasceu de uma “grande explosão”, ocorrida a pouco mais de treze bilhões de anos. Em 1929 Edwin Hublleconstatou que as Galáxias estavam se afastando uma das outras e de um ponto em comum. Este deslocamento das galáxias serviria como base, em 1946, para George Gamow estabelecer a Teoria do Big Bang.  Analisando o desvio para o vermelho em suas observações, Hublle desenvolveu a teoria da Expansão do Universo  a qual veio a fortalecer esta idéia.

Restava saber que força gerou a explosão cósmica dos primeiros momentos do Big Bang. Segundo o físico Alan Guth (foto acima), os primeiros momentos do Big Bang teriam sofrido uma força fenomenal, uma gravidade repulsiva, uma espécie de gravidade negativa. Em 1979, Alan Guth  dá o nome a esta fase de Inflação.

Ao mesmo tempo em que Guth publicava seus cálculos, dois Físicos russos, Alex Vilenkin e Andrei Linde  descobriram que as equações da inflação escondiam um segredo: nosso universo poderia não ser o único! Eles identificaram a possibilidade de que novos Big Bangs teriam ocorrido antes do nosso e que outros estariam ocorrendo (Teoria da Inflação Eterna), que em outras palavras resultaria  em múltiplos universos (O Multiverso).

Foto.MaxRauner.jpg

Andrei Linde e Alex Vilenkin – Foto Max Rauner

 

Energia Escura
O acaso colocou a Terra na distancia certa do Sol da mesma forma que criou nosso Universo

 

Quando foi constatado que o Universo estava realmente em expansão, acreditava-se que essa fuga um dia diria iria terminar, da mesma forma que quando jogamos uma pedra para o alto. Entretanto, para perplexidade dos cientistas que registraram este movimento, foi constatado que a velocidade do afastamento não estava diminuindo e sim, acelerando cada vez mais. Mas que força estaria agindo na matéria do Cosmos? Um ideia plausível foi a Energia Escura que estaria fazendo tudo avançar ao infinito.

A primeira vista os cientistas acreditaram que essa força deveria ser muito forte mas, ao calculá-la, encontram um numero fantasticamente pequeno, muito próximo de zero (um ponto decimal seguido de 122 zeros após a virgula e o numero 1). Se alterarmos este numero para mais ou para menos, por menor que seja o fator, o Universo não seria o que é. Outros Universos existiriam, mas a maioria deles seria algo completamente diferente. Se esse numero fosse menor, digamos 4 zeros a mais, o Universo se expandiria muito rápido e não haveria a formação de estrelas, galáxias,  planetas e, desta forma, nem a vida como conhecemos. E, se ao contrario, se fosse maior uns quatro zeros a menos, ele implodiria logo após o nascimento.

No mesmo raciocínio, da mesma forma que a Terra esta na zona habitável no sistema solar (a 149 milhões de km do Sol),  é um apenas um mero acaso devido a inúmeros sistemas solares espalhados pela galaxia, os Cosmólogos acreditam que possam haver outros Universos com Energia Escura diferente, criando assim, outros tipos de Universos Paralelos. Como são infinitas possibilidades, pode acontecer de existirem outros universos cuja Energia Escura seja idêntica, criando cópias do nosso Cosmos.

 

Teoria das Cordas:
Cordas vibrantes precisam de mais de três dimensões para poder criar tudo.

pr-wittenOs Físicos sempre procuraram encontrar uma equação que descrevesse todos os fenômenos na natureza, a conhecidaTeoria de Tudo. Essa busca vem de longa data, sendo queAlbert Einstein morreu praticamente com um bloco de notas tentando resolver esta questão. O problema é tentar unir a Teoria da Relatividade com a Mecânica Quântica. São dois mundos regidos por leis completamente diferentes. Enquanto a primeira trata do mundo macroscópio, como o movimento dos planetas, queda de uma maça, movimento de um carro, a Mecânica Quântica versa sobre o mundo das partículas atômicas. Neste mundo estranho, uma entidade física pode estar em dois locais ao mesmo tempo (Bilocação), podem sumir e aparecer noutro local (sugerindo de que possam ter ido para outro Universo ou Dimensão), podem apresentar propriedades que desafiam a velocidade da luz (Entrelaçamento Quântico), entre outros fenômenos impossíveis de ocorrerem no mundo macroscópico e de serem explicados pela Teoria da Relatividade.

12496_3d_space_scene

Para tentar unir dois conjuntos de leis tão discordantes foi criada a Teoria das Cordas, pequenos elementos vibrantes, semelhantes a cordas. Conforme vibram em certas frequências, criam partículas e tudo que existe, até mesmo a Gravidade, Magnetismo etc. Mas, para que elas realmente possam existir, que possam vibrar livremente afim de criar todos os elementos, deveriam obrigatoriamente haver mais de três dimensões físicas. Atualmente, graças ao matemático Edward Witten  (foto acima), que aprimorou essa teoria, acredita-se que existam 10 dimensões de espaço e uma de tempo. Estas dimensões são invisíveis e podem estar a milímetros de nossos narizes, ou seja, em Universos Paralelos.

A Teoria das Cordas fez nascer três tipos de Universos Paralelos que veremos na tópico Universos Paralelos – Espécies  .

 

 

 

 

MULTIVERSO – ORIGENS

Como já foi dito em postagens anteriores, a suposição de que poderiam haver mundos paralelos adjacentes ao nosso não é de hoje e remonta aos filósofos mais antigos. Muito se falou e escreveu a respeito mas a ciência sempre se mostrou contrária a existência de tais universos paralelos que em geral eram ligados a Magia ou Superstição..

200px-Niels_Bohr.jpgMas, no inicio do Seculo XX,  Niels Bohr inicia estudos sobre o átomo, cujos resultados contribuíram decisivamente para a compreensão da Estrutura Atômica e da Física Quântica.

Com este novo ramo da Física e a observância de fenômenos estranhos à nossa realidade, os cientistas começaram a ver com outros olhos  estes Mundos Paralelos. E as provas não eram apenas em termos matemáticos mas também através de experimentos em laboratório.

Quando se tentava, por exemplo, determinar a posição de uma elétron, isso se mostrava impossível. Outro Físico,  Max Born, afirmou que não se pode dizer com certeza onde esta tal partícula, apenas podemos prever a probabilidade onde ela poderá estar.

Os elétrons saltam de uma orbita para outra, sem passar pelo espaço que separa estas orbitas. Isso seria como se a Lua mudasse de lugar, indo parar além de Marte por exemplo, mas instantaneamente sem se movimentar pela distancia entre a posição inicial e a final. Mas o que mais surpreendeu os físicos foi a famosaExperiencia da Dupla Fenda no inicio da década de 1920.

Screenshot_8.jpgA experiência mostrou que uma partícula poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo ou, mais recentemente com uma variação deste experimento, que poderiam  “voltar” no tempo antes de atravessar a fenda. Isso é contra tudo que se tinha até o momento, principalmente para  Albert Einsteinque não aceitava que a natureza funcionasse desta forma, por probabilidades, pelo acaso. É celebre a frase “Deus não joga dados“, que Einstein se referia a natureza incerta da posição das coisas, que só podemos dizer onde algo esta somente quando as observamos. Para Niels Born as coisas estavam em determinadas posições somente quando fossem medidas, observadas.

Se isso tudo já era estranho até mesmo para Albert Einstein, imagine Erwin_Schrödinger_(1933)quando a Teoria Quântica apresentou o Entrelaçamento Quântico. Segundo essa previsão teórica, quando duas partículas estão muito próximas, suas propriedades podem se entrelaçar ficando ligadas para sempre, não importando a distancia. Se fizéssemos uma delas girar da esquerda para direita por exemplo, a outra giraria no mesmo instante, mas em sentido inverso, mesmo a um Ano-luz de distancia ou mais. Isso ia contra a ideia do limite da velocidade da luz proposta por Einstein.

Enquanto Einstein e Niels Born discutiam se Deus deveria ou não jogar dados,Erwin Schrödinger (que já havia desenvolvido uma equação para determinar a posições probabilística das partículas), apresentou o experimento mental conhecido por  O Gato de Schrödinger . Resumidamente, se colocássemos um gato em uma caixa com um determinado veneno, jamais poderíamos afirmar nada sobre o estado do felino, ou seja, ele poderia estar morto e vivo ao mesmo tempo. A verdade só se tornaria real quando abríssemos a caixa. Foi então que outros Físicos apresentaram a ideia de que o gato poderia estar vivo em um universo e morto em outro (AInterpretação de muitos mundos ou IMM).

Equação de Schrodinger provou que partículas subatômicas podem estar em mais de um lugar ao mesmo tempo e que mais de uma partícula pode estar no mesmo lugar ao mesmo tempo.

Todo esse novo panorama da realidade levou alguns Físicos a admitirem a possibilidade que as partículas poderiam existir em dois Universos diferentes.

Para se aprofundar mais, visite: Dupla Fenda, Tunelamento Quântico,Entrelaçamento QuânticoO Gato de Schrödinger , Interpretação de muitos mundos